Conhecendo nossas raízes pentecostais

Historiador Carlos Castro é o diretor do PORTAL JVD
Historiador Carlos Castro é o diretor do PORTAL JVD

“Pouco conhecimento faz com que as pessoas se sintam orgulhosas. Muito conhecimento, que se sintam humildes. É assim que as espigas sem grãos erguem desdenhosamente a cabeça para o céu, enquanto que as cheias as baixam para a terra, sua mãe”. Leonardo da Vinci

Em resumo, a história nada mais é do que o conhecimento através da investigação. Na prática, um historiador vive isso o tempo inteiro, e no meu caso não foi diferente. Entre os personagens que investiguei, o que me proporcionou uma alegria indizível foi o pioneiro Gunnar Vingren, o fundador da Assembleia de Deus no Brasil. Como o foco de minha pesquisa é o Ceará, gostaria de explicar aos nossos leitores que o missionário Daniel Berg nunca veio à “Terra da Luz”, e por esta razão, pouco falo dele em meus livros e nos artigos da Mandamentos. Afinal, a estadia de 40 dias no sertão cearense foi do missionário Vingren (companheiro do Daniel), que esteve aqui e comeu rapadura, cuscuz e leite mungido no Sítio Santana e na Fazenda Lagoinha, em São Francisco de Uruburetama, hoje Itapajé.

Inicialmente, os livros da Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD) que lidam com a história do Ceará sempre tiveram como referência os escritos do pastor José Teixeira Rego, no seu livro intitulado “Breve História da Assembleia de Deus no Ceará”, publicado em 1942. Em sua obra, ele informa que Gunnar Vingren esteve em São Francisco de Uruburetama somente em 1915.

Passados três anos da pesquisa, me deparo com algumas edições do jornal presbiteriano “O Estandarte”, que menciona a vinda do sueco ao Ceará. Que benção! Ai eu dei um “glória a Deus”.  Seis meses depois, a agenda de 1914, que pertenceu ao missionário, chega às minhas mãos e tudo sobre ele finalmente é esclarecido. Sua bela história está contada no livro “Gunnar Vingren no Ceará – 40 dias de avivamento pentecostal”.

Portanto, as comemorações do centenário da Assembleia de Deus no Ceará, que acontecerá em julho de 2014 em Itapajé, e em setembro em Fortaleza, é um momento para que os milhares de fieis busquem um melhor conhecimento sobre suas raízes pentecostais. A estatística de que o brasileiro não gosta de ler não se aplica ao cristão, pois a leitura da bíblia é prática diária da maioria. Todavia, os livros do historiador Carlos Castro contam as experiências desses pioneiros e servem de estímulo à fé.

Outro exemplo é do fortalezense José Rodrigues da Silva, mais conhecido como “Zé Vaqueiro”, que creu no Evangelho no Sítio Tunga Cocó (hoje, Parque Buenos Aires), no bairro Água Fria em 1930. O mesmo que aconteceu ao filho da viúva de Naim, em Israel, aconteceu com a irmã Raimunda Farias da Ponte, na congregação de Cachoeirinha, atual Igreja Evangélica Assembleia de Deus Templo Central (IEADTC) no bairro Padre Andrade, em Fortaleza. Após uma oração feita pelo irmão Zé Vaqueiro, ela voltou à vida. Já acomodada em um esquife, alguns de seus familiares até correram com medo, mas o milagre aconteceu, para a honra e a glória do Senhor. A serva do Senhor ainda desfrutou de mais 40 anos de vida. O leitor pode obter mais detalhes no livro “Fragmentos da História do Evangelho no Ceará – Da Sementeira Presbiteriana ao Movimento Pentecostal” (pág. 97).

Só depende de você. A história é de domínio público, e o maior custo é a sua leitura. Por isso, reserve um pouco do seu tempo e vamos aprender.

Historiador Carlos Castro

Carlos Castro

Postado por: Carlos Castro

Comentários

*os comentários aqui apresentados não representam a opinião do Portal JVD

Deixe uma resposta